segunda-feira, 16 de março de 2009

És uma seca!!!



Como hoje não houve tempo para muita música, acabarei o dia com um desabafo. Um desabafo sobre a classe mais chata de fãs de música.

Não, não estou a falar dos gajos que lêm a Guitar Player e veneram o Yngwie Malmsteen. Também não estou a falar dos que dizem que só gostam de "música alegre", ou "música romântica", ou que gostam "de todo o tipo de música", ou dos que dizem que "antigamente é que se fazia música a sério".

Estou a falar de um tipo que conjuga todos esses problemas. E é provável que vocês que estão aí a ler os conheçam. São simplesmente os tipos do bom gosto impecável. Bom gosto que consiste quase exclusivamente dos "grandes" singer-songwriters. Temos um Cohen aqui, um Reed acolá, um Cave, um Dylan, um Waits, uma Joni e assim. Temos, claro, um Caetano, um Buarque, um Jobim. Temos um Miles, um pouco de clássica, alguma world music estilo Cesária ou June Tabor, talvez uma Amália, e por aqui ficamos.

Claro, qualidade aqui existe em alta quantidade. Mas existe na proporção em que falta um desvio à norma, uma vontade de procurar algo que não seja consensual, a porra de um riff violento, uma batida arrasa-quarteirão, uma voz gritada, um arranjo maluco, uma mistura impensada, uma melodia de levantar estádios ou uma freakalhada que ponha um grupo de gajos marados a estremecer como num terramoto. Algo que faça levantar da cadeira e pensar como é bom viver em 2009 e descobrir uma banda destas (sem contar com o Antony). Procurar só "classe" na música é como o gajo que está sempre "early to bed and early to rise" na canção dos Morphine.

A minha vida musical seria muito triste se a minha próxima excitação melómana dependesse da saída de um novo disco do Chico Buarque.

6 comentários:

lisabel disse...

E no entanto, o Chico Buarque - a cantar, a escrever ou a passear de sunga pelas praias do Rio - dá 15 a zero a muitas das zurrapas que tu ouves :-D

**

Beep Beep disse...

Eu escrevi que não era a qualidade dos ditos que estava em causa.

lisabel disse...

Mas então é o quê, o estilo? A adrenalina? : >

Eu não vou preferir o próximo disco dos Klaxons ao último do Buaque por isso me parecer fazer mais cool, ou mais jovem...

Beep Beep disse...

"Mas então é o quê, o estilo? A adrenalina?"

Não. Apenas "Bom gosto que consiste quase exclusivamente dos "grandes" singer-songwriters", "Procurar só "classe" na música" e "falta um desvio à norma, uma vontade de procurar algo que não seja consensual"

No teu caso, seria como se não houvesse Ornatos Violeta, Faith No More, The National, Afghan Whigs, Mercury Rev, Mr. Bungle, Calexico e mais umas coisas.

Victor Afonso disse...

A tua última frase resume tudo. Penso o mesmo.

NC disse...

Estou a ver o que queres dizer e concordo parcialmente. Mas acho por exemplo muito mais arrepiante aqueles que se grizam e acham chato (ou ignoram mesmo) tudo aquilo que não passa na rádio. Ou outros que, como aconteceu em 1999 quando havia aqueles inquéritos de votares nas tuas melhores músicas do século (repito, SÉCULO), votam no "Mambo Number 5" (grande hit de... 1999!) ou coisas assim!